sábado, maio 22, 2010

Indicadores sociais e econômicos publicados pelo Jornal The Economist, comparando os Governos FHC e Lula. Os numeros nao mentem jamais

Tenho recebido e lido muitos e-mails de propaganda contra o governo Lula, muitos até carregados de muito preconceito, raiva, inveja e etc. Deixe eu prestar minha colaboração antes que pensem que eu também não raciocino.Alias falar mal do presidente mais bem avaliado da historia significa ser burro,sacana,incompetente ou invejoso.

Senhores,
Com isenção de Ãnimo e sem paixões politicas, e bom conhecer os indicadores sociais e econõmicos publicados pelo Jornal The Economist, comparando os Governos FHC e Lula.
A diferença é muito grande...é bom lembrar.
LEIAM O QUE FOI PUBLICADO NO JORNAL THE ECONOMIST
The Economist publicou!
Situaçao do Brasil antes e depois.
Itens

Nos tempos de FHC Nos tempos de LULA
Risco Brasil,com FHC - 2.700 pontos 200 pontos
Salario Minimo com FHC - 78 dólares - Nos tempos de LULA -210 dólares
Dólar com FHC - Rs$ 3,00 - Nos tempos de LULA -Rs$ 1,78
Divida FMI com FHC - - Nos tempos de LULA -Não mexeu e Pagou integralmente essa divida maldita
Industria naval com FHC - Não mexeu - Nos tempos de LULA -Reconstruiu
Universidades Federais Novas (sem contar com PROUNI) Nenhuma 10
Extendoes Universitárias com FHC - Nenhuma - Nos tempos de LULA -45
Escolas Técnicas com FHC - Nenhuma - Nos tempos de LULA -214
Valores e Reservas do Tesouro Nacional ,com FHC - 185 Bilhões de dólares Negativos - Nos tempos de LULA - 160 Bilhões de Dólares Positivos
Créditos para o povo ,com FHC - PIB 14% - Nos tempos de LULA - 34%
Estradas de Ferro,com FHC - Nenhuma - Nos tempos de LULA -3 em andamento
Estradas Rodoviárias,com FHC - 90% danificadas - Nos tempos de LULA -70% recuperadas
Industria Automobilística ,com FHC - Em baixa, 20% - Nos tempos de LULA -Em alta, 30%
Crises internacionais ,com FHC - 4, arrasando o país - Nos tempos de LULA - Nenhuma, pelas reservas acumuladas
Cambio com FHC - Fixo, estourando o Tesouro Nacional – Nos tempos de LULA, Flutuante: com ligeiras intervenções do Banco Central
Taxas de Juros SELIC com FHC - 27% - Nos tempos de LULA -11%
Mobilidade Social ,com FHC - 2 milhões de pessoas sai¬ram da linha de pobreza - Nos tempos de LULA -23 milhões de pessoas sai¬ram da linha de pobreza
Empregos,com FHC - 780 mil - Nos tempos de LULA -11 milhoes
Investimentos em infraestrutura,com FHC - Nenhum - Nos tempos de LULA - 504 Bilhões de reais previstos até 2010
Mercado internacional Brasil,com FHC - sem crédito - Nos tempos de LULA - Brasil reconhecido como investment grade

- ACORDA BRASIL!
Alem das vergonhosas e lesivas Privatizações doações a amigos do rei, quando o pais abriu mão de suas melhores empresas (Leia o livro do jornalista investigativo Aloysio Biondi, "BRASIL PRIVATIZADO - UM BALANÇO DO DESMONTE DO ESTADO".
PSDB OUTRA VEZ NÃO!!!!!! PELO AMOR DE DEUS!!!!!!!!!!

quinta-feira, maio 13, 2010

CNTE acionará o Ministério Público Federal pelo cumprimento da lei 10.639




Em razão da inoperância do estado e falta de iniciativa dos movimentos sociais e, sobretudo o movimento negro, a CNTE entrará com uma ação junto ao Ministério Público Federal para cobrar uma atuação mais efetiva do MEC na implementação das Leis 10.639/03 e 11.645/08. Elas estabelecem a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Afra brasileira e Indígena em escolas públicas e particulares brasileiras.
A decisão foi tomada pela CNTE e entidades filiadas ao fim do V Encontro Nacional Antirracismo da CNTE “Dalvani Lellis”, que terminou na sexta-feira (7), em Brasília. “Tem sete anos que a lei 10.639 foi aprovada. Não podemos aceitar que os estados e municípios não cumpram a determinação. Vamos cobrar uma postura mais rigorosa do MEC”, explica a secretária de Políticas Sociais da CNTE, Rosana do Nascimento.
Cotas e Estatuto
A CNTE também se mobilizará com representantes de entidades estudantis e os movimentos de negros e de mulheres para pressionar o Congresso Nacional a aprovar o Estatuto da Igualdade Racial e a Lei de Cotas nas universidades públicas. “Agora, o Coletivo Antirracismo Dalvani Lellis conta com coordenadores nacionais nas cinco regiões do Brasil (ver abaixo). O objetivo é ampliar a participação dos trabalhadores da educação e fortalecer as discussões e as mobilizações em todo o país”, revela. Outra ação definida durante o Encontro é a realização de uma pesquisa para mapear a quantidade de negros entre os trabalhadores da educação pública brasileira. Em julho, será realizado mais um encontro do Coletivo Antirracismo da CNTE, em Maceió. Coordenadores Nacionais do Coletivo Antirracismo ..Centro-Oeste: Edna Martins (Sintepe – PE) ,Nordeste: Carlos Campelo (Simproesemma – MA),Norte: Maria Luisa silva (Sintero – RO) ,Sudeste: Analina Lourenço (APEOESP - SP),Sul: Celso José Santos (APP - PR)
Realmente se faz necessário uma organização educacional fazer esse papel, pois os governos estão pouco se lixando para uma lei dessas, já que ela valoriza a Cultura Afro Brasileira e interessa diretamente e classe mais sofrida e discriminada deste País. Na verdade eles não têm vontade alguma, ate porque a historia que eles querem contar não tem nada a ver com a verdadeira historia da África. Pois na historia da áfrica muitas mascaras irão cair Já que os intelectuais brasileiros se gabam de serem descendentes de japoneses, alemães, italianos, espanhóis, gregos, árabes e todos aqueles que vieram de seus países para enriquecer aqui no Brasil, que foi simplesmente assaltado e vilipendiado pelos europeus durante os nefastos períodos da colonização e no pós guerra, quando os fugitivos de guerras e os bandidos de toda espécie vieram aqui pro nosso País. A população Brasileira chora quando vê a historia dos descendentes de orientais ,italianos e etc. na telinha globo e morrem de pena deles. Mas esquecem de ver que todos eles, por mais pobres que fossem, eles tinham um negro como escravo para serem violentados e maltratados como ate hoje ainda o são. Ninguém conta na globo a saga dos africanos e seus descendentes. Deve ser porque eles so vêem e viam o africano como escravos, mercadorias ou mão de obra barata. Mas hoje ainda é. Pois depois mais de sete anos de existência dessa lei veja que ninguém a cumpre, ou tem boa vontade para com ela, alias nem gostam de falar sobre o assunto. Apesar de, na maioria das vezes, os negros que conseguem estudar um pouco são professores. Com eles está a obrigação de fazer cumprir a lei, ate por uma questão de conscientização . Então porque ainda não o fazem? Estão esperando algum cidadão branco de boa vontade chegar, começar a escrever livros sobre a áfrica e ganhar muito dinheiro com isso, para so depois seguirem a linha ditada pelo branco. Cadê nossos deputados, vereadores ou senadores? Ainda não foram eleitos? Ou os poucos que foram não tem a preocupação? Pois bem, em Belo Horizonte a secretária de educação municipal é negra e de grande responsabilidade, mas nao sei sinceramente se ela trabalha com isso. No governo estadual de Minas Gerais, nem se fala nisso. Na ultima conferencia estadual de igualdade racial eu tive a sorte e o desprazer de ser coordenado em uma mesa onde os representantes do governo (todos os oito brancos) disseram que estavam tentando fazer os professores se conscientizarem da necessidade de cumprir a lei 10639. Mas vem Ca, se é lei não tem que cumprir? Tem é que cumprir e fiscalizar, não é? O que o governo fez com a lei seca pra ela ser cumprida? Quem é o fiscal dessa lei? Ninguém sabe e nem se preocupa. Nós do movimento negro adoramos citar leis e dentre elas a 10639, o Estatuto emendado e inacabado da igualdade Racial e etc.. Quando fazemos isso, passamos pra quem nos ouve que sabemos e somos comprometidos, mas deputados também gostam de falar, advogados também, alias a elite em si adora isso. Mas a pratica e a fiscalização cadê? Quem é o seu candidato a deputado negro? Não tem? So sei votar no candidato da minha corrente partidária, ou da minha força, ou da minha igreja, ou da minha categoria, mas o da minha cor não. Já que não sou eu, então eu não voto em outro não. Isso nos deixa mais uma vez com o pires na mão pedindo sempre a esmola de um cargo, um apoio em dinheiro, uma verba de emenda ou mesmo um vale transporte pra aqueles a quem trabalhamos feito escravos no momento de eleição acreditando que isso pode nos alforriar. Muitas das vezes ainda animamos as festas deles com nossas companheiras dançando com adereços afros para o deleite da platéia de brancos e o aumento dos votos do político, ou empresário ou a renda do patrão. Coitado do Lula que tem pensado tanto na democracia e nos movimentos sociais e negros! Abre as portas pra todos nós, mas como cavalheiros que somos, abaixamos e falamos... por gentileza “os brancos primeiro.”
Nessa lógica, a SEPPIR e nós do movimento negro perdemos uma oportunidade impar de mostrar a que viemos, mas a CNTE não vai perder essa oportunidade. Alias, não existe oportunidade perdida,uma vez que, alguém faz uso dela e a sociedade agradece a CNTE pela iniciativa.

*Professor Paulo Jorge dos Santos éJornalista, Grafólogo, Professor e Ambientalista, Pós Graduado em Administração legislativa Pela UNISUL, Membro do Coletivo Estadual e Nacional de meio Ambiente do PT, Fórum Mineiro de Agenda 21, Membro da Coordenação Estadual de Combate ao Racismo do PTMG, Coordenador Regional Metropolitano de Combate Ao Racismo da RMBH do PTMG. Membro dos Comitês de Bacias do dos Rios Pará e São Francisco. Palestrante Em Faculdades E Órgãos Públicos Com Ações E Consultorias Em Direitos Humanos Étnicos E Ambientais. E - mails. profpjds@yahoo.com.br e profpjds@hotmail.com
Site www.professorpaulobh.hpg.com.br Blog http://professorpaulobh.blogspot.com/
Fone 3199967257

segunda-feira, maio 10, 2010

Policiais assassinos de São Paulo, ignoram apelo de mãe desesperada e espancam motoboy negro ate a morte, em frente sua casa, na capital.



“A intenção deles era matar. Implorei para pararem"
Mãe de motoboy acusa policiais de terem agredido e matado o filho em São Paulo. Comandantes da PM são afastados
Lecticia Maggi, iG São Paulo | 10/05/2010 19:25


A vendedora Maria Aparecida de Oliveira Menezes, de 43 anos, já havia avisado o filho, o motoboy Alexandre Menezes dos Santos, de 25 anos, que não queria nenhum presente de Dia das Mães, bastava a companhia dele. “Ia fazer uma couve, que ele gosta tanto, para almoçarmos juntos”, diz, com a voz embargada.


Foto: Lecticia Maggi, iG São Paulo
Mãe de motoboy morto em SP mostra fotos do filho
No entanto, seus planos foram drasticamente modificados. Ao invés de almoço com o filho, foi ao enterro dele. Por volta das 3h de sábado, Santos foi assassinado em frente à própria casa, na rua Guiomar Branco da Silva, em Cidade Ademar, zona sul paulista. Os acusados do crime são policiais militares.

Segundo a vendedora, de sexta a domingo Santos trabalhava entregava pizzas em um estabelecimento próximo. Na última sexta não foi diferente, mas, na volta, ele teria sido abordado por policiais militares porque estava em uma moto sem placa. O jovem teria ignorado o alerta e seguido até a residência.

Ali, Maria Aparecida diz ter visto uma sessão de espancamento que durou cerca de 30 minutos. “Acordei com a sirene da polícia e escutei os gritos do meu filho. Estava dormindo e saí correndo, descalça e de pijama e comecei a gritar: ‘ele mora aqui, a moto é dele’”. Tudo em vão, segundo ela, porque as agressões continuaram. “Meu cachorro latia e eles: ‘se ele não parar vou dar um tiro’. Eu me ajoelhei, tentei pegar na mão deles (policiais) e implorava para pararem de bater no meu filho. Eles só diziam: 'fica quieta que você pode ser presa. Eu chorava, gritava, chorava...”, afirma, sem conseguir completar a frase.

Maria Aparecida diz ainda que presenciou o momento em que Santos foi enforcado. “Quando apertaram mais forte, ele parou de falar e gemer. Gritei: ‘vocês mataram meu filho, mataram’. E eles: sai de perto’”, lembra. Neste momento, a vendedora diz que viu o filho ser algemado e colocado na viatura policial. O destino dele, ela não sabia. Por isso, conta que seguiu até o 43º DP, onde diz ter sido informada de que o menino “só estava com uma perna quebrada” e tinha sido levado ao Hospital de Pedreira. Não o encontrou lá e, por conta própria, seguiu até o Hospital Saboya, onde já o viu morto.

Segundo o Boletim Ocorrência, policiais afirmam que, ao colocarem Santos na maca do hospital, encontraram com ele uma pistola calibre 357. Tese que Maria Aparecida não acredita. “Enquanto ele apanhava, caiu celular, carteira, e eles dizem que o meu filho estava armado, mas só encontraram a arma no hospital?", ironiza.

Moto

Quando questionada se o filho estava na contramão de direção, como alegaram os policiais, Maria Aparecida faz questão de ir até a varanda do sobrado onde mora e mostrar carros passando nos dois sentidos da rua. Ela também pega uma pasta e mostra carnês da moto recém-comprada e até um comprovante de que ela seria emplacada na terça-feira. A vendedora espera que, ao menos depois de morto, o filho não seja considerado bandido.


Foto: Lecticia Maggi, iG São Paulo Ampliar
Mãe de motoboy mostra comprovante da placa da moto usada pelo filho antes da abordagem policial

Homicídio doloso

Enquanto conversa com a reportagem do iG, o telefone da casa de Maria Aparecida não para de tocar. Uma das ligações é do senador Eduardo Suplicy (PT-SP), para quem ela pede ajuda. “Quero ser a última mãe a passar por isso. Ser motoboy não é ser bandido”, afirma.

Maria Aparecida diz que a intenção agora é que os policiais sejam julgados por homicídio doloso (quando há a intenção de matar) e não culposo, como foram autuados. “A intenção deles era só de matar, senão não iam enforcar e ainda jogar a cabeça dele contra a guia. Se estivessem só se defendendo, meu filho estaria vivo”, lamenta.

Comandantes da PM afastados

Na tarde desta segunda-feira, o secretário de Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, determinou o afastamento de dois comandantes do batalhão envolvido no caso sob o argumento de que eles não tiveram o controle da tropa. Foram afastados o tenente-coronel Gerson Lima de Miranda, do 22º Batalhão, e o capitão Alexander Gomes Bento, da terceira companhia do 22º BPM. A secretaria determinou abertura de processo administrativo para averiguar o crime de omissão.

Em depoimento, os PMs envolvidos no caso alegaram que Alexandre, ao ser abordado, entrou em luta corporal com os soldados, que pediram o reforço de mais dois homens.

Segundo informações do Boletim de Ocorrência (BO), um dos policials aplicou uma gravata no motoboy na tentativa de imobilizá-lo, mas ele teria conseguido se desvencilhar. Então, outro golpe foi dado. Alexandre perdeu os sentidos e desmaiou, morrendo pouco tempo depois. Os policiais disseram ainda que, além da moto Honda/CG não ter placa, o jovem transitava em alta velocidade e pela contra mão.

Por meio de nota, a Polícia Militar disse que, diante do uso excessivo de força física dos policiais militares, os autuou em flagrante delito por homicídio culposo. A ocorrência acontece um mês após a morte de outro motoboy, de 30 anos, também em São Paulo.

Polícia violenta

Dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) de São Paulo na semana passada revelam que a Polícia Militar do Estado matou 40% mais pessoas em ocorrências registradas como confrontos no primeiro trimestre deste ano do que em relação ao mesmo período do ano passado. Entre janeiro e março de 2010 foram 146 mortes, contra 104 mortes no mesmo período de 2009.

Mesmo com o maior número de mortes de civis em confronto com a Polícia Militar, os números de homicídios não caíram no Estado. Na comparação entre o início de 2009 e 2010, o número de homicídios no Estado registrou uma leve alta. No relatório estatístico divulgado pelo SSP, foram registrados 1.224 homicídios no primeiro trimestre deste ano. Em 2009, foram 1.143, pouco a mais que em 2008, quando foram registradas 1.135 mortes de janeiro a março.

terça-feira, maio 04, 2010

Pimentel é o candidato do PT ao governo de Minas



O ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, é o candidato do PT ao governo de Minas. Ele venceu com 52% (16.346) dos votos o ex-ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, que alcançou a marca de 48% (15.093). O resultado foi divulgado no início da noite de hoje, dia 3, pelo presidente do PT mineiro, deputado federal Reginaldo Lopes e por membros da Executiva Estadual. De acordo com os dados computados pela Comissão de Organização Eleitoral (COE-MG), 404 municípios (66,8%) dos 605 aptos realizaram a prévia. Foram registrados 31.439 votos válidos, 104 em branco e 167 nulos, em um universo de 108.525 filiados aptos a votar. Pimentel venceu em sete das 12 regiões onde foram realizadas as prévias. O ex-prefeito alcançou a marca de 80% das preferências na Vertente do Caparaó, 74% no Campo das Vertentes e 62% na Zona da Mata. Já Patrus venceu nas outras cinco regiões do Estado. O ex-ministro ficou com 74% dos votos no Sul de Minas, 70% no Vale do Aço e 68% no Rio Doce. Agora, Pimentel tem o compromisso de intensificar o diálogo com os partidos da base aliada do governo federal e garantir palanque forte para a pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, em Minas. O Encontro Estadual – que definirá a tática eleitoral do PT de Minas para 2010 –, nos dias 21, 22 e 23 de maio, homologará a candidatura do petista.



VOTOS POR REGIÃO
Vertente do Caparaó Pimentel 80% X Patrus 20%

Campo das Vertentes Pimentel 74% X Patrus 26%

Belo Horizonte Pimentel 63% X Patrus 37%

Zona da Mata Pimentel 62% X Patrus 38%

Norte/Nordeste Pimentel 59% X Patrus 41%

Jequitinhonha Pimentel 57% X Patrus 43%
Centro-Oeste Pimentel 54% X Patrus 46%

Metropolitana Pimentel 48% X Patrus 52%

Triângulo Pimentel 39% X Patrus 61%

Rio Doce Pimentel 32% X Patrus 68%

Vale do Aço Pimentel 30% X Patrus 70%

Sul Pimentel 26% X Patrus 74%

PELO APOIO DO MOVIMENTO NEGRO, DILMA SAI NA FRENTE PARTICIPANDO DO ENCONTRO NACIONAL DE NEGROS E NEGRAS EM BRASILIA.

Evento Nacional vai reunir lideranças Negras d etodo o País e faz parte da estratégia da coordenação de promover debates da candidata com movimentos sociais durante a pré-campanha.Por isso o PT organiza para a segunda semana de maio o Encontro Nacional de Negras e Negros petistas em Brasília que deve contar com a presença da candidata à Presidência, Dilma Rousseff. O encontro faz parte da estratégia da coordenação da campanha petista de promover debates da ex-ministra da Casa Civil com movimentos sociais e militantes na fase de pré-campanha. Neste momento, quando a pré candidata do PT não é mais Ministra e portanto sem o suporte de exposição oferecida normalmente pelo cargo publico, a coordenação da campanha quer levar Dilma, acertadamente, a encontros com movimentos sociais e militantes em diversas cidades do país e principalmente no Sudeste para aquecer a primeira etapa da corrida eleitoral. A avaliação é a de que a ex-ministra, sem experiência em eleições, precisa conquistar intimidade e aprender a linguagem da militância, sobretudo a racial , que é muito exigente, organizada e propositiva. O evento estava previsto para acontecer há um mês, mas foi adiado porque o PT não achou um espaço adequado para reunir os cerca de 400 delegados eleitos em encontros estaduais além de parlamentares, dirigentes partidários e membros do governo que debaterão com seriedade a questão racial. O encontro acontecerá nos dias 14, 15 e 16 de maio em Brasília. Recentemente, Dilma participou do Seminário Internacional Mulher e Participação Política na América Latina, que reuniu representantes de 11 países, na sede do PT. Para o encontro Nacional de Negros e Negras, o PT quer trazer autoridades estrangeiras, mas ainda não confirmou nenhum nome. Estão previstas também discussão sobre estratégias de organização eleitoral e as políticas de inclusão em países da América Latina e África.
video